Eventos | 11 novembro 2016

Um resumo do que foi o Pixel Show 2016 – Parte I

Com dois dias de muita inspiração criativa, o evento mostrou que ainda pode continuar crescendo.

por

Já estamos em novembro, mas nos dias 22 e 23 de outubro aconteceu o maior festival de arte e criatividade da América Latina, o Pixel Show 2016. Nós do DesignFera estivemos lá e vamos contar ao longo desse mês, em diferentes perspectivas, um pouco de como foi o evento. Para não ficar muito extenso, dividirei esse post em duas partes, e na segunda parte (leia aqui) contarei como foi algumas palestras do auditório.

O Pixel Show desse ano reafirmou seu tamanho dobrando o número de workshops e aumentando o de palestrantes. Foi a primeira vez que o evento trouxe mais palestrantes estrangeiros do que nacionais, aumentando a diversidade do conteúdo abordado no festival. Esse ano também tivemos novidades como o Mangá Festival e o Tattoo Festival, além dos diversos Sharp Talks com palestrantes do setor criativo nacional, bandas, uma mini feira de publicações independentes e a já tradicional feira de expositores com entrada e atividades gratuitas.

Quem foi ganhou um kit: uma ecobag recheada de pequenos mimos (nem tudo que veio está aí) - Foto por Zupi

Quem foi ganhou um kit: uma ecobag recheada de pequenos mimos (nem tudo que veio está aí) – Foto por Zupi

 

A feira pode ser considerada a melhor coisa do evento – é lá que está a maior parte da fonte de inspiração – e parte dela é dedicada aos patrocinadores e alguns outros expositores com produtos criativos. Esse ano alguns estandes se destacaram mais do que os outros, um exemplo foi a POSCA que trouxe diversos artista para live paiting (Marina Baggio, Bruno Góes, Fábio Polesi, Muka, entre outros) além de oferecer workshops e concursos, tudo com uso de suas canetas. Eu participei de um dos workshops, o de pontilhismo com Bruno Góes, no qual ele falou um pouco do seu trabalho e explicou melhor as técnicas usadas. Quem sabia ou não desenhar pôde participar e aprender um pouco.

Um dos workshops do estande da Lupo

Um dos workshops do estande da Posca

Um dos workshops do estande da Lupo

Um dos workshops do estande da Posca

A LUPO também fez sucesso com seu estande. Nele qualquer pessoa podia fazer uma ilustração e torcer para ela virar uma estampa de meia no futuro, além de ter a oportunidade de tentar pegar algum par no jogo da garra (sem pelúcia, só meias).

Estande da Lupo

Estande da Lupo com fila extensa

Máquina da Garra para pegar meias da Lupo

Máquina da Garra para pegar meias da Lupo

E nem tão balado assim, mas não menos interessante, o estande do IDE São Paulo (Istituto Europeo di Design) se destacou por oferecer uma análise de portfólio para receber uma orientação personalizada com os melhores profissionais do IED. Oportunidade única para designers apresentarem seu trabalho a um professor de Design Gráfico e Digital.

Havia vários outros estandes legais, como o da WACOM, o dos artistas Leandro Dexter e Andy Alvez, o do InQuadro, o da Chameleon, Papelaria Universitária, entre outros. Nem todos ofereciam atividades, mas os produtos a venda eram bem legais.

Um dos corredores da feira, lotado

Um dos corredores da feira, lotado

Outro corredor da feira, lotado

Outro corredor da feira, lotado

Estande do In Quadros

Estande do In Quadros

Estande da Stabilo

Estande da Stabilo

Estande da Urban Craft

Estande da Urban Craft

Estande da Wacom

Estande da Wacom

Live Painting da Luna Lee (olha a fila da Lupo lá atrás)

Live Painting da Luna Lee (olha a fila da Lupo lá atrás)

Feira de Publicações Independente

Feira de Publicações Independentes

Tattoo Festival

Tattoo Festival

 

Esse ano a Zupi Academy trouxe o dobro de workshops do que o ano passado, totalizando 40 (quarenta). Diversas áreas foram exploradas (diagramação, ilustração, graffiti, bordado, caligrafia, quadrinhos, etc) para o desenvolvimento e aperfeiçoamento do conhecimento dos alunos. As aulas eram ministradas em paralelo com a conferencia e a feira, um ponto fraco pra quem queria acompanhar tudo. Já a estrutura ficou a desejar: as salas eram separadas por um pano e as atividades das salas ao lado acabavam atrapalhando.

Eu fiz o workshop de Criação de Marcas com Breno Bitencourt e não atingiu minhas expectativas, assim como as dos colegas que pude conversar. A abordagem do tema foi totalmente equivocada e apresentada de uma maneira experimental e deslocada. Entretanto, apesar de minha experiencia negativa, ouvi muita coisa boa de pessoas que participaram de outros workshops, então o balanço ainda é positivo.

 

Ao todo foram 48 palestras que ajudaram a reafirmar o sucesso das duas últimas edições em que as Sharp Takls aconteceram, que contaram com profissionais, artistas e empresas de diversas áreas com palestras que abordaram design, moda e tecnologia. Apesar disso a estrutura ficou a desejar pela falta de assentos e espaço, consequência do bom conteúdo abordado. Mesmo que a proposta seja criar “papos” descontraídos e mais perto do público, vale aumentar o espaço.

Sharp Talk do Daniel Bueno sobre Imagens Contínuas e Mural

Sharp Talk do Daniel Bueno sobre Imagens Contínuas e Mural

Um dos destaques que atraíram muitas pessoas foi a palestra do Fabricio Faustin, designer do estúdio Balaclava. Ele contou como foi o processo de crescimento do estúdio e como conseguiram a fama internacional. A palestra aconteceu nas últimas horas do domingo já com parte dos estandes da feira encerrados, mas mesmo assim havia pessoas em pé para assistir.

Não foi possível estar presente e acompanhar tudo, mas espero ter conseguido falar sobre o pouco que vi. Quem foi comente aí o que achou, se estará lá ano que vem, se faltou algo, o que mais gostou, etc. Leia a segunda parte sobre as palestras do auditório.

Compartilhe

Share this:

Posts relacionados

Sad Clown face

porDouglas Zanon

Ilustração

Sad clown face

Sobre o Autor

Ramires Silva

Publicitário que não vive sem música, cinema e uma dose de teoria de conspiração. Reside em Brasília e ganha a vida como designer e developer.

Ver Todos os Posts

Fique por dentro de todo conteúdo do DesignFera!